Guilherme Pinto Machado, do CTG Lanceiros da Zona Sul, do município de Porto Alegre, na 1ª Região Tradicionalista, é o grande vencedor das provas de gineteada da 30ª Fecars – Festa Campeira do Rio Grande do Sul, que acontece desde o dia 15 no município de Esmeralda, considerado o berço do tiro de laço no Rio Grande do Sul.
Em segundo lugar, ficou Artur dos Santos Padilha, do CTG Alexandre Pato, de Lagoa Vermelha, na 8ª Região Tradicionalista, e em terceiro lugar Gustavo Ferlin, do CTG Sentinela do Pampa, de Rio dos Índios, na 19ª Região Tradicionalista.

Conheça o Regulamento das provas de gineteada
É proibido o uso de esporas tipo nazarena, bem como qualquer outro modelo que tenha a roseta travada ou que se trave (acampanada). As gineteadas serão em pelo, e os ginetes poderão utilizar-se de um tento, para auxiliar a fixação. Os ginetes somente poderão usar para surrar o animal, lenço, pala ou mango de pano, sendo este fornecido pelo tropilheiro ou pela comissão organizadora do evento. Os cavalos serão sorteados, sendo a ordem de montas, regulada pela saída do cavalo do brete. O ginete, ao ser chamado, deverá estar pronto para montar, sob pena de ser desclassificado. A comissão julgadora poderá determinar que o ginete monte tantas vezes quantas forem necessárias, para efeito de classificação. A comissão julgadora para efeito de classificação observará posição e estilo do ginete; desempenho do animal; tempo de preparo do ginete (2 minutos); uso e emprego da espora. A comissão julgadora terá por base as notas de 0 (zero) a 10 (dez) para o ginete com peso 7 (sete). A comissão julgadora terá por base as notas de 0 (zero) a 10 (dez) para o cavalo com peso 3 (três). Para apurar a nota média do conjunto, somam-se os dois quesitos e divide-se por 10 (dez), chegando assim a nota alcançada a cada montada. As notas atribuídas pela comissão julgadora não poderão estar rasuradas e deverão ser anunciadas no momento, ou antes, da etapa ou rodada seguinte de montaria. A comissão julgadora deverá ser a mesma em todas as rodadas de montarias. Para apurar a classificação final, deverá ser feito o somatório de todas as notas do participante. Como exemplo, de cada montada classificatória colocamos a seguinte situação: ao sair um ginete o jurado Nº. 1, dá a nota 7 para o ginete e nota 6 para o cavalo, donde: Ginete: nota 7×7 (peso) = 49; Cavalo: nota 6×3 (peso) = 18. A comissão julgadora é soberana em suas decisões, inclusive para resolver os casos omissos. As decisões são irrecorríveis.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
%d blogueiros gostam disto: