Estudo sobre o folclore da mulher gaúcha chega à quarta edição

O Folclore da Mulher Gaúcha, obra de Elma Sant’Ana, está em sua quarta edição e integra o catálogo promocional da 1ª Feira do Livro Virtual da Fundação Cultural Gaúcha. A autora tem uma trajetória de três décadas de estudo sobre os saberes da cultura popular do universo feminino e é precursora das pesquisas bibliográficas e, especialmente, de campo. A obra aborda temas como o “incômodo”, a gravidez, o parto, a amamentação, o noivado, a virgindade e o casamento. Na feira do livro da FCG, o livro pode ser adquirido ao preço de R$ 25,50 (clique aqui para adquirir: https://lojafcg.lojavirtualnuvem.com.br/produtos/folclore-da-mulher-gaucha-4-edicao/)

Confira o prefácio

Com certeza, o Rio Grande do Sul teve a força da mulher que cintilou na construção da história deste Estado.

Por sua resistência e coragem, conseguiram ultrapassar as barreiras, que, na época, foram muitas. A batalha do dia a dia exigia que elas transformassem a esperança por melhores dias em ação.
Mulheres sábias e flexíveis, compreenderam que curvar-se diante das dificuldades as deixaria mais resistentes. Como o bambu, que se curva diante da tempestade e se mantém ileso, pois é uma árvore maleável, apesar da aparência frágil.

Naquele contexto, era melhor dobrar-se do que ser quebrada; não havia espaço para direitos e reivindicações.

E assim cada uma foi exercendo o seu papel e enfrentando a realidade que se apresentava no momento. Embora tivessem origens e costumes diferentes, souberam transformar a opressão em trabalho e zelo por suas famílias, ferramentas que as tornaram vitoriosas.

O que temos em comum com essas mulheres do passado? E o que nos deixaram de herança? Sem sombra de dúvidas, herdamos o arquétipo da força da mulher batalhadora e protetora que já vive em nosso inconsciente. Com a união e o fortalecimento feminino, somos complemento que fortifica a sociedade.

O Sagrado Feminino que habita em nós é a nossa essência, energia comum a todas as mulheres do passado e do presente. Precisamos resgatar o que está adormecido, confiando no coração e na intuição, a fim de podermos despertar a nossa força interior, a autoestima e o poder pessoal.

Felicidade é o que desejo a todas as mulheres, que sejam realmente realizadas, com uma vida leve e próspera.

Ilsi Mara Marques Garcez
Advogada, Mestre em Reiki e Yoga